PUNHO Exercícios Fratura do Rádio Distal AMPLITUDE DE MOVIMENTO Clínica Fisioterapia Dr Robson Sitta

▼CLÍNICA de FISIOTERAPIA DR. ROBSON SITTA
(11)2528.4661 Ligue e agende sua consulta
Rua Coriolano 1480 – Vila Romana (Lapa), SP

FAÇA PARTE DAS MINHAS REDES SOCIAIS:
▼ INSCREVA-SE no YOUTUBE: https://www.youtube.com/channel/UCb7a…

▼ Visite SITE OFICIAL: www.fisiositta.com.br

▼ CURTA no FACEBOOK: https://www.facebook.com/fisiositta?f…

▼ ADICIONE no LINKEDIN: http://br.linkedin.com/pub/robson-sit…

▼ SIGA no INSTAGRAM: https://www.instagram.com/robson.sitta/

FISIOTERAPIA ESPECIALIZADA em ORTOPEDIA & TERAPIA MANUAL
Pós Operatório Fratura do Rádio Distal do Punho
Exercícios para Ganho de Amplitude de Movimento ADM domiciliar com a Técnica de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva PNF

A Fratura de rádio distal mais conhecida como fatura do punho é bem comum de se acontecer e simples de ser tratado.

3% das fraturas que ocorrem no corpo
Incidência alta (muito comum) com números de estatísticas americanas com mais de 640.000 casos por ano.
Ocorre mais em 2 populações:
Dos 5 aos 24 anos – geralmente homens – traumas de alta energia (quedas de altura/ queda de moto e bicicleta/ acidente automobilístico/ prática do esporte – queda).
Idosos (acima de 60 anos) – geralmente em mulheres (pelo fator de risco da osteoporose) – traumas de baixa energia (queda da própria altura – tombo)

Opções de Tratamento
As principais formas de tratamento são essas:

Primeiro exemplo mostra um gesso (tratamento não cirúrgico).
Segundo mostra fios de aço (kirshner) que são inseridos por cirurgia e geralmente colocados de forma percutânea.
Terceiro mostra um fixador externo que é usado para casos específicos.
Quarto utilizando placas que é um método de fixação abrindo o foco de fratura para estabilização.

O que é importante saber se tenho uma fratura do radio distal?
Quais os fatores que influenciam no tratamento
Existem 5 fatores preponderantes para definir o tratamento:
Idade maior 60 anos
Se a fratura é articular
Se a fratura é tem outra lesão associada (exemplo uma fratura da ulna)
Se o Angulo de deslocamento do radio esta muito alterado mesmo após uma redução.
Se existe fragmentação da parte dorsal do radio distal ( o que da sustentação ao osso). Isso também determina um prognóstico ruim para deslocamento dorsal.

Mas como funciona o tratamento sem cirurgia?
Em geral fica uma tala ou gesso da axila ao punho por 4 semanas (que mantém o cotovelo imobilizado também) e após substitui-se esse por uma tala antebraquiopalmar por 2 semanas.

O tratamento em geral dura 6 semanas. Alguns casos podem ter duração menor. Retorno as atividades simples (ex: como dirigir, lavar uma louça, ou outras que não exijam força), sem o uso de tala em geral é permitido a partir da 6 semana. Pode ocorrer antes dependendo do caso. Exercícios vigorosos geralmente são liberados a partir das 12 semanas do tratamento.

E o tratamento cirúrgico? Como funciona?
Pode ser realizado com os seguintes materiais:

Placas e parafusos
Fios de aço
Fixador externo
Cada caso tem sua indicação. Apesar de os resultados entre a placa e o fixador serem muito similares há vantagens e desvantagens de cada método

Exercícios para Ombro com Lesão de Bankart e Hill Sachs – Clínica de Fisioterapia Dr. Robson Sitta

▼ (11)2528.4661 Ligue e agende sua consulta
Rua Coriolano 1480 – Vila Romana (Lapa), SP.
Clínica de Fisioterapia Dr. Robson Sitta

▼ INSCREVA-SE em nosso canal no YouTube e receba todas as novidades em tempo real: https://www.youtube.com/channel/UCb7a…

▼ Visite o site oficial e saiba mais: www.fisiositta.com.br

▼ CURTA no Facebook Clínica de Fisioterapia Dr. Robson Sitta: https://www.facebook.com/fisiositta?f…

▼ ADICIONE no LinkedIn Robson Sitta: http://br.linkedin.com/pub/robson-sit…

▼ SIGA no INSTAGRAM: https://www.instagram.com/robson.sitta/

FISIOTERAPIA ESPECIALIZADA em ORTOPEDIA & TERAPIA MANUAL
Protocolo de exercícios de fisioterapia para tratamento conservador do ombro com lesão de Bankart e Hill Sachs

A lesão de Hill-Sachs e a lesão de Bankart são alterações muito frequentemente encontradas nas pessoas com luxações do ombro. Após o primeiro episódio de uma luxação do ombro, cerca de 85% dos pacientes têm uma lesão de Hill-Sachs e nos casos de luxação recidivante este número pode chegar a 100%.

O que é a lesão de Hill-Sachs e o porquê ela ocorre ?
A lesão de Hill-Sachs é uma fratura com afundamento da cabeça do úmero na sua região posterolateral. Ela ocorre pois a cabeça do úmero colide com a borda anterior da glenoide. Esta colisão causa o esmagamento da cabeça do úmero, pois é um osso mais frágil que o osso da glenoide.

O que é a lesão de Bankart?
A lesão de Bankart é a lesão do lábio da glenóide na sua porção anterior. No lábio da glenóide estão inseridos os ligamentos glenoumerais, estes conferem boa parte da estabilidade do ombro. Quando o ombro luxa, o local mais comum de ocorrer uma lesão dos ligamentos glenoumerais é justamente na região do lábio da glenóide, que descola da escápula. Na cirurgia para tratamento da luxação do ombro, o procedimento mais comumente realizado é a reinserção do lábio da glenóide na escápula.

O que é a lesão de Bankart ósseo?
A lesão de Bankart ósseo ocorre em 2 situações:

Durante um episódio de luxação anterior do ombro, ocorre uma fratura da borda anterior da glenóide em vez de ocorrer um descolamento do lábio anterior da glenóide;
Em pacientes com múltiplos episódios de luxação, pode ocorrer um desgaste da região anterior da glenóide.

Quais são os melhores exames para avaliar a lesão de Hill-Sachs e a lesão de Bankart?
O melhor exame é a ressonância magnética. Para casos com desgaste ósseo importante ou grande pode ser necessária uma tomografia computadorizada para medir adequadamente os defeitos ósseos.